26 de jun de 2009

They do not care about us, so do not stop until you get enough!

Tudo será falado por aqueles que entendem do assunto. Tudo será comentado pelos que viveram os melhores e os piores momentos da carreira do Rei do Pop. Verdades e Mentiras, discussões fúteis e úteis serão tratadas da maneira correta e da forma mais escusa. Então, minha homenagem pessoal só pode ser do único jeito que possível. Com arte!

19 de jun de 2009

E quem é craque?

Como sempre, a mesma discussão besta que não tem fim. No Arena SporTV de hoje, a eterna discussão de quem pode ser considerado craque. Incrivelmente, ouvi que até o Denílson é craque. Até o Denílson!!!!!!

Retirando minha opinião a respeito do Denílson, a discussão que eu quero levantar é o seguinte: o conceito de Craque. Afinal de contas, durante o programa, foi discutido pontos como um jogador pode ou não ser considerado craque durante a carreira. Um jogador acima da média nunca poderá ter este adjetivo se não tiver títulos relevantes. O Zico entrou na história. Eles nem deveriam mencionar o Zico nesta hora, afinal de contas Zico estaria atrás apenas de Pelé. Se bem que Romário e Ronaldo…

Discutiram ainda Alex e Kaká. E na maioria das características comentadas, a comparação era que Alex (ex-Palmeiras, Cruzeiro, Flamengo e atualmente no Fenerbahce) é melhor que Kaká em praticamente todos os aspectos, porém Kaká era melhor que Alex. Alex quando surgiu era melhor que Kaká, e todo mundo falava isso na época. Porém, ele “dormia” durante os jogos. E Kaká era o “pipoqueiro”, que fazia jogadas maravilhosa e não era decisivo. Kaká ganhou Copa dos Campeões e Mundial de Clubes pelo Milan e transferiu-se para o Real Madrid como a terceira transação mais cara da história do clube. Assim ninguém seria digno de ser craque, pois craque é sempre decisivo.

A discussão foi além da questões técnicas e partiu para o lado morfológico do português. Alberto Helena Jr. mencionou o fato do Craque ser derivado da onomatopéia “crack”, que seria o som de algo rompendo. Logo, todo craque teria que ser um jogador que atravessasse uma defesa. Cleber Machado defendeu com a tese, dúbia por sinal, de Beckenbauer não poderia ser craque, porque ele não fazia isso em todo jogo.

Pensei em pegar algum exemplo de fora para entender o conceito de craque. Chamou atenção o nome de Rogério Ceni (graças Juliana G. Sales e seu comentário no Twitter). Na época do presidente Paulo Amaral, todos unanimemente queriam vender o jogador, que era bom goleiro, mas era considerado pouco decisivo e não conquistavam títulos de expressão. Enquanto na época de Marcelo Portugal Gouveia e logo em seguida, Juvenal Juvêncio, passou a ser considerado símbolo do time que jogava. E o seu jogo não mudou por conta das diretorias. Rogério sempre foi profissional, batalhador, não aceitava derrota, fazia de tudo pelo time, era ótimo embaixo das traves e ainda fazia gols de falta! Então porque para um mesmo jogador houve duas mentalidades tão distintas?

Ai eu pego e pergunto, quem é craque nos dias de hoje? Difícil achar, até porque é difícil explicar o que é ser craque. Só não consigo aceitar que craque seja um jogador igual ao Denílson. Isso não dá…


PS: Estou bolando um novo projeto de blog esportivo que espero, mostre um pouco do que esta de errado no Esporte no Brasil, e se der certo, dará muito o que falar até 2014! Aguardem e confiem…

10 de jun de 2009

Política e Internet: tudo a ver!

Uma semana com ótimos assuntos e algumas polêmicas, envolvendo temas e discussões que particularmente eu adoro. A discussão sobre o substitutivo ao projeto de lei de crimes digitais ganhe destaque na Carta Capital, onde o jornalista Leandro Fortes mostra os pontos dissonantes desta lei e que podem prejudicar o usuário final. Existem questões técnicas que ficam implícitas na reportagem e que são fundamentais para esta discussão. A questão que eu mais gosto é: o custo em alocar os dados dos usuários por 3 anos em um repositório não implicaria custos parecidos aos gastos com investimento de assinaturas digitais e sistemas de segurança mais eficientes para evitar os crimes digitais para grandes empresas de Internet?

Neste ponto fica o principal foco de discussão. Através das leis, o impacto final pode ser revertido para os usuários finais e não para empresas, sendo que no futuro os gastos para implantações destes repositórios acabaria diminuindo os gastos do provedores dos serviços web em questão, ou seja, o ônus da falha no serviço reverte não para quem falha, mas sim para quem recebe o serviço. 

Lembrando da minha opinião já expressada neste blog, é sim importante a discussão em torno de uma lei contra crimes digitais em todas as instancias, mas que não marginalize apenas um lado ou o lado mais fraco da questão. Ou alguém tem dúvida que isso possa acontecer?

Mas não foi só isso. Tivemos um quebra de paradigma esta semana. Um blog corporativo tomou conta das discussões em grandes veículos de mídia, e também nas redes sociais. O blog em si é o blog da Petrobras, que foi criado para defender os interesses da empresa em relação a tudo que é falado em relação a empresa, principalmente devido a CPI que está sendo instaurada em Brasília.

A quebra foi feita quando uma empresa de capital publico abriu suas relações com a imprensa, ao divulgar questões dos jornalistas de grandes jornais como Folha, O Globo e O Estado de S. Paulo, que segundo as próprias informações do blog, poderiam ser manipuladas por conta de interesses políticos doravante da CPI, e com fundo para as eleições presidências do ano que vem.

Diversas opiniões foram emitidas, entre algumas que eu li estavam as opiniões de Pedro Dória questionando como está a relação entre imprensa, setor público e setor privado, Fabio Seixas, que comemora o fato e lembra que questões como o poder da imprensa pode ser alterado e compara com a situação que viveu a indústria da musica com os adventos das redes P2P, a interessante compilação de informações do blog Bereteando ressaltando como os jornais e os jornalistas estão tendo opiniões diferentes em relação e todos os pontos positivos que podemos ter com o maior número de informações sendo divulgados. Também vale ressaltar a opinião do Kennedy Alencar, colunista da Folha de São Paulo, totalmente contrário da atitude da empresa, porém fazendo mea culpa sobre como a imprensa brasileira tem comportado nos últimos tempos; e a entrevista do Professor Roberto Romano, que questiona até aonde um empresa pública pode utilizar uma ferramenta de comunicação para ataque ao poder legislativo.

Não podemos esquecer que o objetivo primário do blog é uma defesa ao que será vinculado na imprensa sobre a CPI que irá investigar desvios que podem estar acontecendo dentro da estatal. Ou seja, o embate proporcionado pelo abertura do blog pode ser esvaziado para o vazio discurso político brasileiro que ocorre desde a redemocratização do Brasil. Em vez de discutir a abertura das relações de imprensa do Estado através da Internet, ou a consolidação dos blogs corporativos, atingindo talvez um dos locais de maior resistência que seria o setor público, pode ser levada as trevas pelo jogo politico de interesses pouco claros ainda para maioria da população. Enfim, e tanta coisa que pode ser discutida que deveria ser feito um livro a respeito.

E deixei para o fim uma discussão que teve entre o Jornalista Luís Nassif, e o ex-assessor político e blogueiro Gravataí Merengue, que teve como plano de fundo os dois temas acima. Quando a discussão de temas relevantes a sociedade por duas figuras publicas e formadores de opiniões cai no viés da pura e simples rixa politica ou superficialidade de pontos como o meu é melhor que o seu, pode se dizer que ambos perdem a razão. Acompanho ambas as pessoas, concordo e discordo das opiniões deles expressadas em ambos os veículos que eles possuem. Ou seja, o que aconteceu esta semana não valeu nada para eles e nem para o papel que eles exercem e que deveria ser o mais importante, como socializadores de informação e formadores de opiniões dentro de um ambiente muito pobre e canhestro que é nossa politica. Esta nota como as notas deles nos respectivos blogs, nem merece comentários a parte.

E isto ocorreu só nesta semana. Ótimo isso!

1 de jun de 2009

Um dia de reflexão

Um dia atípico. Quando você começa o seu dia sabendo que um avião desapareceu com 228 passageiros a bordo, você já pensa que tem algo de errado. Mas todas as ações que ocorreram logo depois deste fato, deixaram o dia mais intrigante, curioso e triste.

Muitas pessoas no Twitter que seguem a DJ Lalai, observaram um update comentando sobre sua viagem a Paris, falando que iria morrer na viagem. Logo que surgiram as noticias a respeito do sumiço do avião, comentários se espalharam pelo seguidores dela dizendo que ela estava no no avião desaparecido. Uma tragédia que pode ter sido motivada seja pelo descuidado e preocupação de amigos ou por outros motivos nada respeitosos e que nem devem ser mencionados.

Logo depois, o que me chamou a atenção foi a pesquisa sobre o perfil do usuário do Twitter no Brasil feita pela Bullet e cascateada por vários usuários durante o dia. Uma pesquisa que torna claro quem está por trás dos posts relacionados ao caso mencionado acima. Pesquisa por sinal bem conduzida e com uma profundidade de informações relevantes para todo e qualquer tipo de pessoa ou empresa que quer aproveitar o potencial da ferramenta. Segue abaixo a apresentação:

E da onde eu tirei reflexão destes dois assuntos, que só tem o Twitter algo relacionado? Vamos  pontuar alguns pontos que achei interessante na apresentação:

  • Slide 20: Na grande maioria, as pessoas que tem o Twitter que tem superior completo. Logo, a maioria tem formação intelectual completa.
  • Slide 22: A maioria dos donos de twitter no Brasil possui blog
  • Slide 23: A maioria utiliza ferramentas da web 2.0, com bastante ênfase em redes sociais como Orkut, Facebook e Flickr.
  • Slide 26: Média de followers e following acima de 100 usuários.
  • Slide 31: Esmagadora maioria confia no conteúdo disseminado no Twitter.

Utilizo com base estes dados e mais a analise promovida pelas pessoas que produziram o material e que foi demonstrado nos últimos slides que o Twitter com apenas 140 caracteres é uma ferramenta tão poderosa na questão de disseminação de conteúdo, que os próprios donos não tem idéia da dimensão de como suas atualizações podem afetar a vida de alguém. Quando você propõem uma discussão que envolve qualquer tipo de assunto, o Twitter facilita que as informações sejam rastreadas ou compartilhadas. E ai mora um perigo monstruoso, pois lá o público pode tomar direções que não seriam as corretas.

Aqui eu não vou discutir o motivo de quem fez isso e se queria ou não prejudicar a Lalai, mas sem dúvida ela foi vitima do poder invisível que o passarinho tem. Da falta de conhecimento de quem usa o Twitter. Pois eles pode informar e desinformar.

É isto. Lembrando que este post foi todo baseado em informações do Twitter. Ou seja, utilizando o mínimo do potencial é possível consolidar dados de maneira condizente e que possa produzir algo sem ir para o perigoso caminho do achismo e do desencontro.

PS: Gostaria de me solidarizar com a Sandra Landeiro, do blog Sangerine, que foi sim afetada pelo desaparecimento da aeronave. Neste momento, nós da internet podemos apenas torcer para ela ter força para agüentar esta situação.