15 de jul de 2009

A “bastilha” da TI

Alguns eventos são marcos históricos da ascensão de povos ou pessoas dentro de sua sociedade. Esta semana, um dos maiores eventos da história francesa foi comemorado. É a famosa Queda da Bastilha, que foi marco da Revolução Francesa.

O que a queda da Bastilha fez ser uma marco cultural tão forte na França? Por se tratar de uma prisão que tentava cercear a liberdade dos adversários políticos e de muitos liberalistas que lutavam contra o sistema imposto durante o século XVII. (Você pode ver texto completo aqui no Historianet)

A lembrança da queda da Bastilha serve como simbologia para dois lançamentos do Google e da Microsoft que ocorreram nesta semana. Um é o anúncio do desenvolvimento do Google Chrome OS. A intenção clara do Google é avançar em uma área do Windows falha: Sistema Operacional para equipamentos móveis de pequeno porte, como Netbooks, que são desenvolvidos para navegação Web. A Microsoft não confia nesta estratégia.

Do lado da Gigante administrada por Steve Ballmer, temos o Bing, substituto do Live Search e que, por conceito, tem como fator organizar as buscas de forma mais organizada em relação ao Google, tomando parte do mercado próprio (veja aqui overview do IDG NOW).

Ambas as empresas tentam sua revolução em cima da outra. Cada um foca naquilo que a outra é campeã disparada (SO e Busca na Web). Seria uma delas a Bastilha da outra? Qual produto tem poder para ferir os investimentos da outra e causar alguma revolução? Fica muito difícil saber isso, como foi bem escrito no Blog dos Blogs do IDG NOW, além de detalhar mais fatores em relação a este duelo. Que não é tão nobre e idealista quanto foi na época da revolução francesa, mas tem seu charme e sua coincidência de datas.