30 de jul de 2009

Sobre preconceito e memorias

1º lugar, eu não sigo o Danilo Gentili no meu twitter. Ou seja, não vi a já famosa mensagem quando ela foi escrita. Claro, apenas vi os comentários a respeito e as notícias relacionadas ao fato, como por exemplo, o Ministério Público investigando se a piada foi racista, a Opinião de Hélio de La Peña sobre o caso e ainda o Danilo disponibilizando na internet um manual de piadas sobre negros.

Minha opinião: Eu fiquei incomodado quando li a piada. E por conta disso, aqui cabe uma história verídica que acontecera faz dois anos atrás ilustrando da onde vem meu incomodo. Isso ocorrera após passar uma noite com minha namorada e amigos em um bar em São Paulo. Era  aproximadamente 11 horas da noite e estávamos na Av. Goiás, principal via de acesso da Cidade de São Caetano do Sul, voltando para minha casa. Perto do portão 1 da GM, existe uma seqüencia de semáforos muito próximos  um dos outros. Eu estava andando no limite da velocidade da via com um dos carros da Família, enquanto a aproximadamente 25 metros e andando na mesma velocidade vinha um 206 dirigido por um “Motorista” qualquer. Ao chegar na seqüencia de semáforos mencionados, o primeiro ficou amarelo logo que eu passei. O segundo ficou amarelo quando eu estava bem próximo. Neste momento parei meu carro com uma freada mais forte, porém não tão brusca como poderia ter sido. Porém, o 206 que estava atrás acelerou ao passar no primeiro semáforo, e deve ter pensado que eu iria passar o segundo. Quando eu parei na sua frente, pelo retrovisor eu vi ele fazendo um movimento rápido e ultrapassou o carro onde eu estava e passou o sinal. Só que existia um terceiro sinal logo a frente, e ele teve que parar pois este ficava vermelho junto com o segundo.

Depois disso, tanto eu quanto o “motorista” esperamos o sinal abrir. Quando abriu, para minha surpresa, o carro dele começou a andar bem devagar. Percebi que ele estava esperando chegar próxima para arrumar algum tipo de confusão. Comecei a andar bem devagar também, evitando ultrapassa-lo para ouvir qualquer coisa e evitar uma confusão. A minha namorada, que estava ao meu lado, não tinha percebido isso e comecei a explicar para ela. Preocupada, ela falou para eu passar e ignorar qualquer coisa que seria dito pelo individuo. Só não esperava o que eu iria ouvir. Cheguei bem próximo e acelerei. Foi quando ele falou: “Seu MACACO filho da puta”. Ao ouvir a palavra macaco, eu acionei o pedal do freio, mesmo com minha namorada falando para passar. Logo em seguida, veio: “tinha que ser um negro”. Dessa vez, tinha me enfurecido. O 206, que estava um pouco atrás neste momento, acelerou. Eu acelerei durante 200 ou 300 metros e segui ele em alta velocidade. Até novamente nós pararmos em outro semáforo, isto já na Rua Alegre, acesso para Santo André. Eu não parei do lado dele, mas sim atrás do 206. Nisso, ele falou pelo menos mais uma frase que dói até hoje de lembrar: “Você é um negro de merda, não sabe nada. Eu sou branco”. Minhas reações, que até então eram motivadas pela raiva destes comentários, esvaíram para um comentário irônico: “Estou vendo que você é um branco que pensa!”. Ao dizer isso, o sinal abriu. E nisso, o individuo deu ré no carro, que estava a menos de um metro do meu, encostou na frente do carro que eu dirigia e disse: “Eu sou branco!” e virou a esquerda logo após o sinal. Eu falei algo na linha: “Você é realmente um branco inteligente, evitou a colisão antes e agora bateu no meu carro!”. Após isso, tudo ocorreu bem durante o caminho. Exceto meus lamurios e esbravejos que foram ouvidos pela minha namorada, também pasma por tudo que ocorreu.

Eu lembro deste fato quase diariamente, e agora tenho lembrado ainda mais, com tantos comentários em todos os lugares. O que eu acho: não creio que Danilo Gentili foi preconceituoso. Ele não teve a intenção de ofender. Foi uma piada que muitos acharam sem graça, inclusive eu. E que carrega uma “cultura do preconceito” que não exclusividade nossa. Isto é histórico e vem de longe. Entretanto este não é o foco. Preconceito é algo muito sério e que deve ser coibido, seja preconceito de raça, cor, sexo ou religião. Só não usem o Danilo como bode expiatório. No máximo isso só parece um grande mal entendido. O que não é o caso da minha história. Infelizmente.

2 comentários:

Thais Frota disse...

Acabei de ler a sua história e estou indignada! Como alguém pode falar uma coisa dessas? Aff... vc devia ter anotado a placa do carro e denunciado!
Quando alguém fala uma coisa dessas ou mesmo consegue fazer piadas com isso, eu fico brava, não gosto mesmo.

Liu disse...

Concordo contigo.
São casos diferentes.
Tu deverias ter anotado a placa do automóvel e ter comunicado à polícia o ocorrido.
És uma pessoa instruída e, agindo da maneira que agiu, acabou sendo conivente com esse tipo de comportamento, o que é lamentável!
Tem que se impor nessa horas, amigo. Garanto que só vais ter a ganhar.
E, assim, sinceramente, a piada que o Danilo contou foi engraçada e foi apenas uma piada.
É hipocrisia ficar falando mal do cara.

Sorte aqui no teu blog.

Abs.

Liu