7 de set de 2009

Basquete e eu

Na segunda série do primário, adorava as aulas de educação física. Cada dia, o professor pedia para praticar um esporte diferente. E eu adorava quando chegava o dia do Basquete. Era formada uma fila com todos os alunos há aproximadamente dois metros da cesta. E ficávamos lá, chutando algumas bolas na cesta tentando ser mais felizes do que nossa infância permitia. E muitas vezes conseguimos. E eu particularmente era bom. Acertava todas. Mas…

Todos nós sabemos o que o Basquete no passou durante este tempo (esta minhas lembranças já são do longínquo ano de 1992). Times que não lembram em nada o passado glorioso que este esporte ja teve, com gloriosas batalhas entre times históricos, que hoje não fazem nem sombra as equipes do passado, como a Hebraica, o Corinthians, o Santo André do time feminino e o próprio Flamengo, atual campeão brasileiro masculino, mas que não lembram em nada os times antigos. Mesmo assim, sempre que tenho a oportunidade, assisto uma boa partida, que infelizmente, só tenho oportunidade de ver na NBA. E jogar, desde 2001 não consigo jogar uns lances livres sequer.

E eu voltei a ter vontade de lançar algumas bolas depois do que eu vi no fim de semana. Fiquei empolgado em ver o Brasil de volta, não ainda com os seus clubes, mas como uma seleção forte, que tem bons valores em todas as posições, que não depende de um jogador, faz um jogo coletivo, com infiltração no garrafão, virada de jogo e não fica preso também a apenas bolas de 3 pontos.

Esta seleção não é fruto de nenhuma mudança política, pelo contrário. É fruto da mesma péssima administração que fizeram muitos como eu, perderem interesse do esporte durante este longo período. Agora, os nossos únicos bons valores vão para fora  ou para NBA ou as Ligas Européias mais fortes, como a Espanhola ou as do Leste Europeu. E isso ajudou? Sim, pois os campeonatos mais fortes fazem com que esses jogadores aprendam a trabalhar taticamente muito melhor do que é feito no país. E a seleção também só melhorou seu jogo quando passou a ser trabalhada por um técnico estrangeiro. Por sinal, ouvi da boca do Wlamir Marques durante uma das transmissões da Copa America dizendo que o Moncho Monsalve foi ótimo jogador. E aonde estão nossos ótimos jogadores que fizeram história, como o próprio Wlamir? Foram jogados de lado e não participaram durante anos em nada na administração esportiva, aleijados por uma administração incompetente e que locupletou por muito tempo do cargo por razões diversas e obscuras conforme vários veículos de mídia reportaram nos últimos anos. Hoje, esta mesma administração teve pequenas mudanças, que já fizeram enorme diferença no resultado final do dia. Imagina se gente de bem estivesse no meio, cuidando da parte administrativa, quem sabe eu teria visto mais jogos interessantes desde 1992 e como muitos, e pudesse ter mantido o interesse que quando pequeno, era tão grande quanto futebol e automobilismo. Mas não só eu, o menino que gostava de jogar chutar algumas bolas nas cesta, mas o meu colega que ficava atrás de mim na fila, que podia ter virado profissional só com um pouquinho mais de motivação.