5 de abr de 2010

Rodoanel – Prós e Contras para o usuário

Fotos aéreas do trecho sul do Rodoanel. As primeiras são do trecho que passa sobre a Regis Bittencourt, a seguir, o trevo para a Rod dos Imigrantes e depois a Anchieta.<br />10.03.2010<br />São Paulo-SP<br />Foto:Milton Michida/Governo do Estado de SP

Finalmente o rodoanel foi inaugurado na última quinta-feira para acesso de veículos no trecho sul, que interliga as rodovias Anchieta e Imigrantes e a Cidades do ABC diretamente as rodovias Regis Bittencourt, Raposo Tavares, Castelo Branco, Anhanguera e Bandeirantes. Uma obra bastante esperada, que pretende desafogar o transito nas Marginais e no Centro de São Paulo, retirando os caminhões que outrora utilizavam essas regiões como caminho principal para seus destinos, além de facilitar o acesso daqueles que viajam para fora de São Paulo e precisavam pegar as mesmas vias congestionadas.

Av. Papa João XVIII em Mauá com trechos em grande reforma mesmo com o tráfico liberado para o Rodoanel desde o dia 1° de Abril Primeiro lugar, gostaria de falar que fiquei surpreso quando houve a divulgação de que o Rodoanel seria liberado para o trafego, uma vez que a Av. Papa João XXIII em Mauá, principal via de acesso a rodovia, é um enorme canteiro de obras com vários buracos e sinalização improvisada ao seu redor. Claro que a situação poderia ser pior, pois houve uma pequena duplicação da pista que já comporta os carros que acessam o Rodoanel pelo ABC nesta fase inicial.

O problema é como chegar até ele. Não existe placas de sinalização na Cidade de Mauá que indiquem claramente a existência desta via vital para o município. E isso se estende para as cidades vizinhas, que ainda não parecem entender que ali está a principal obra viária do Estado de São Paulo nos últimos anos. Com impacto ambiental alto, sendo o projeto original vários vezes alterado para não afetar a região das represas Billings e Guarapiranga, assim como a a área de manancial existente na divisa de Mauá, Ribeirão Pires e São Bernardo do Campo, que é protegida por lei, é impossível imaginar que a região do ABC não tenha se preparado de acordo para abertura deste espaço. Pouquíssimas placas na região urbana e acessos mal pavimentados destoam completamente do que se apresenta na rodovia nos seus quilômetros iniciais.

Sim, pois o Rodoanel como toda obra entregue em época de eleição tem retoques feitos de ultima hora além de erros que podem ocasionar sérios problemas aos usuários do local. No último domingo, retorno do feriado de Pascoa, resolvi utiliza-la para fugir de um problema recorrente nas saídas da capital por conta de outra obra: congestionamento na Marginal Tiete. Além disso, gostaria de cronometrar as distancias entre as rodovias e verificar tudo que envolvia a pista.

Como tinha dito logo acima, os quilômetros inicias não devem nada a nenhuma outra rodovia no estado inteiro. Sinalização eficiente, áreas de descanso para caminhões, asfalto liso e bastante espaço fazem que a viagem seja tranquila. Mas algumas ressalvas tem que ser feitas mesmo assim. Existe um importante trecho em subida na altura de São Bernardo que é totalmente feito de cimento. Portanto, um pneu em mal estado pode estourar mais facilmente, devido ao piso que consome mais borracha. De resto, tudo tranquilo.

Os acessos para rodovia Anchieta e rodovia dos Imigrantes são bem indicados e bastante largos, o que evitam problemas. Por sinal, o trecho Mauá-Imigrantes o transito foi quase nulo, aumentando consideravelmente no retorno dos carros que saiam do litoral.

Depois, veio os problemas mais sérios. No trecho de São Paulo, que corta o extremo sul da cidade, pelo bairro de Parelheiros, os problemas são de ordens naturais. Muita chuva acompanha o viajante ao longo de 15 a 20 km dentro da área mais inacessível da capital. Em dias de chuva e muito transito, será impossível desenvolver uma grande velocidade. Ademais, existirá problemas de visibilidade em decorrência da Neblina. Nada muito fora do comum.

Pedágio inacabado prejudica motoristas na inauguração do Rodoanel O que está fora do comum é a situação após o Pedágio Fantasma, assim apelidado por mim. As cabines do pedágio situados na divisa de São Paulo com o município de Embu ainda não estão prontas, com um cavaletes posicionadas de forma até perigosa. Primeiro problema estrutural. Que continua em Itapecerica da Serra, de forma um pouco mais séria: Grandes trechos sem sinalização alguma, incluindo os sinalizadores que indicam as faixas de rolamento e a falta de Guard Rail e indicação de muretas de concretos foram uma constante, em um trecho que contem algumas entradas não oficiais. Para uma rodovia em que os motoristas vêem em velocidade relativamente alta (limite de 100km/h para veículos de passeios), um trecho de 10 a 15 km nestas condições pode ser problemático. Espero que esta região tenha sua sinalização acertada brevemente.

Além disso, próximo a entrada Regis Bittencourt, próximo do inicio do trecho Oeste da pista, é possível notar alguns viadutos inacabados. Para uma obra com custo total de 5 bilhões de reais, entregar com viadutos inacabados é algo inadmissível.

E após todos estes detalhes, ainda tenho que citar mais duas coisas que senti falta: Telefones de apoio para emergência, quase inexistentes, e nenhum posto de serviço avançado pronto. Ambos atrapalhando e muito qualquer serviço de emergência, como notei ao passar por 2 carros quebrados no caminho, completamente desamparados.

Enfim, a lista de problemas iniciais é relativamente alta, mas eu espero que o governo não pare de investir e melhorar aquilo que foi entregue, que está longe do ideal. Quando estiver ideal, será sem duvida a melhor via para fugir do transito infernal de Sampa. Veja na tabela abaixo o tempo que levei para atingir as rodovias cortadas pelo Rodoanel nesta viagem e faça as contas de quanto as pessoas poderiam economizar com ele. Para ter uma idéia, o trecho via Av. do Estado – Marginal Tiete – Rodovia dos Bandeirantes demora 1 hora e 5 minutos sem transito.

Rodovia

Tempo Percurso Mauá – Bandeirantes em Minutos

Anchieta

10 minutos

Imigrantes

14 minutos

Regis Bittencourt

40 minutos

Raposo Tavares

44 minutos

Castelo Branco

48 minutos

Anhanguera

52 minutos

Bandeirantes

55 minutos

Este é o Rodoanel visto por um usuário. Só espero que não demorem tanto para os trechos Leste e Norte ficarem prontos.

Um comentário:

Letícia disse...

Oi Thiago
tb passei lá domingo, só que por volta das 13hs. Gostei bastante, claro que há ressalvas da parte civil, sinalização e tals pra acabar. O que mais me chamou a atenção foi a quantidade de pessoas observando a estrada, familias inteiras sentadas a beira da rodovia, observando a novidade. Eu não sei se por hora teria coragem de passar a noite por lá, fiquei com receio de que possa haver algum tipo de violência (assaltos, simulações de acidentes) nas áreas de fácil acesso de pedrestes. E achei outro ponto critico a alça de acesso a Rod dos Bandeirantes, achei estreita e pergisoa, se um carro quebra ali, já era. Mas no geral, finalmente, vai ser muito mais fácil fazer a rota Campinas- Guarujá.
Abraço